blog-post-google-drive

Como usar o Google Drive: guia com o passo a passo e dicas para aproveitar o que há de melhor na ferramenta

Quando falamos sobre Nuvem uma das ferramentas mais comentadas aqui em nossas redes sociais foi o Google Drive. Não é pra menos. A Google começou oferecendo um site de buscas que indexa tão bem a rede mundial de computadores que é considerada uma das maiores colaboradoras para a popularização da internet. Se antes dela os internautas eram obrigados a saber o endereço dos sites que queriam acessar, agora basta pesquisar por palavras-chave e todo o conteúdo disponível será oferecido em instantes. E a empresa não parou por aí. Criou uma suíte de serviços na nuvem incrível e gratuita! Isso mesmo. Grande parte desses serviços você encontra na Suíte Google Drive.

A decisão de criar aplicativos na nuvem foi tão importante na evolução da empresa Google que se fundiu totalmente ao seu DNA impactando diretamente sua missão estratégia e, por consequência, todas as suas ações. Isto a tornou a gigante da tecnologia que ela é hoje.

Missão estratégia da Google

Suíte Google Drive, sua maior aliada está na nuvem

Você certamente precisa ter acesso aos seus arquivos fora de casa. Seja no celular, notebook ou computador do trabalho, é comum que precisemos transitar com nossas informações de um lado pro outro, compartilhar e modificar estes documentos.

Talvez você tenha a minha idade, e costumava carregar por aí caixas de disquetes. Cada um com seus gloriosos 1.44 megabytes de espaço disponível. O suficiente para armazenar apenas duas fotos, destas que você tem às centenas no celular e posta no Instagram todo dia. Talvez você seja mais novo, e já tenha passado sua adolescência digital com pendrives dependurados no chaveiro, ou CDs regraváveis na mochila.

De qualquer maneira, se você ainda usa qualquer um destes métodos, você ficou para trás, amigo. Com as ferramentas de armazenamento em nuvem, isto tudo já é coisa de dinossauro. Para te tirar da pré-história, preparei este guia. Você vai aprender como usar com maestria um dos sistemas mais completos que existem hoje: o Google Drive.

Chapolin Colorado: Sigam-me os bons!

O que é o Google Drive?

O Google Drive é parte do Google Apps, o ecossistema de aplicativos que o Google desenvolveu para facilitar a vida de todos. Ele é o responsável por manter seus arquivos sincronizados entre diferentes máquinas e a internet, no seu espaço de armazenamento com o Google.

Mas reduzir o Drive apenas a um espaço de armazenamento é uma injustiça. Afinal, pareado com os outros aplicativos do ecossistema, ele não apenas disponibiliza seus arquivos, mas permite a colaboração em tempo real e compartilhamento deles.

Tudo isso num pacote bem fácil de usar, desde o computador até o seu celular.

O que o Google Apps inclui?

Como eu disse, a sacada aqui não é o Drive em si, mas seu ecossistema. Ele é disponível gratuitamente para pessoas físicas e custa baratinho para empresas. Coisa de 5 dólares por usuário/mês. Mesmo com o câmbio desfavorável, ainda é um ótimo custo/benefício.

No pacote você acha:

  • Gmail: um dos melhores clientes de e-mail, até hoje
  • Drive: armazenamento em nuvem
  • Docs (Documentos): Editor de texto, como Word e Writer
  • Spreadsheets (Planilhas): Editor de planilhas, à lá Excel
  • Presentations (Apresentações): Para fazer slideshows, como o PowerPoint
  • Hangouts ou Meet: Chat, com suporte à voz, vídeo e screensharing (compartilhamento da sua tela para que todos na chamada possam ver o que você vê. Excelente ferramenta para aulas virtuais)
  • Calendar (Agenda): Para organizar compromissos e tarefas
  • Contacts (Contatos): Lista de contatos e e-mails inteligente

Ainda há ferramentas para cursos online (Google Sala de Aulas), construção de páginas web (Google Sites), sistemas de segurança para empresas (Apps Vault e Admin Console), ferramentas de marketing (Google Analytics, Google AdWords e o Google Search Console), etc. Mas falar de todos elas em um único post é totalmente inviável, então se você quiser que eu descomplique alguma dessas outras é só pedir aqui nos comentários que eu preparo um guia exclusivo pra elas.

Quais as vantagens do Google Drive?

Provavelmente a maior força do Google Drive está na sua baixíssima barreira de entrada. Quer dizer, é muito fácil começar a usar o produto e se beneficiar dele. Leva poucos minutos para um usuário que está ali pela primeira vez entender a lógica geral das coisas e começar a fazer um bom uso.

Com preços que começam em zero reais, ele também uma alternativa muito econômica a outros pacotes como o Microsoft Office. Mesmo em seus planos pagos, o armazenamento tem preço justo e sua capacidade de criareditar e colaborar em documentos online é simplesmente fantástica.

Outro ponto forte é que praticamente qualquer sistema operacional é suportado. Além de rodar tranquilo direto do seu browser, existem plugins para o Chrome e aplicativos para iOS Android, assim como Windows Mac. Para quem usa Linux ou Windows Phone, ainda não há aplicativos nativos, mas o serviço está disponível via Google Sync ou através do browser do sistema. Por este mesmo método também é possível acessar os apps em sistema mais exóticos como o MIUI ou Ubuntu Phone.

É legal também lembrar que o Drive sincroniza outros arquivos como fotosvídeosarquivos compactados e formatos proprietários de outros softwares, como Photoshop e AutoCad sem problemas. Para estes arquivos não é possível fazer a edição online, mas eles ainda serão mantidos protegidos e sincronizados entre suas máquinas. O limite de tamanho é 5 TB (isso mesmo, TERAbytes). Mais que o suficiente para a maioria das pessoas.

Quais as desvantagens do Google Drive?

Apesar de ser extremamente útil, nem tudo aqui são flores. O Google Drive também tem suas falhas. A principal delas é que os arquivos criados pelos aplicativos Docs, Spreadsheets, Forms e Slides não são realmente sincronizados com o computador. O que o programa faz é colocar um placeholder, uma espécie de marcador, que diz para você o nome do arquivo e sua localização, mas não permite que você o edite fora do sistema.

Assim, se você sincroniza sua pasta de planilhas, por exemplo, vai saber quantas têm, seus nomes e localização, mas precisa retornar ao Spreadsheets para trabalhar nelas. Isto não chega a ser um grande problema quando a conexão com a internet está estável, mas sabemos que isto nem sempre é verdade em terras tupiniquins.

Outro problema é que se você não tem acesso aos aplicativos nativos, como em telefones com Windows, as versões mobile (site para celulares e tablets) são muito simples, sem muitas funcionalidades e até meio desajeitadas. Não servem para realizar nenhum trabalho minimamente sofisticado. Para contornar esse problema você pode abrir a página do Drive com o navegador de internet (e já que estamos falando de Google, recomendo usar o Google Chrome), abrir a página em versão “Para computador” e abusar do zoom pra conseguir usar a interface não adaptada para celulares. Já adianto que não é nada prático isso, mas se não der pra você usar em um computador, te recomendo paciência e desejo sorte. 🙄

Como usar Google Drive?

Existem duas formas principais de acessar seus arquivos no Drive: via sincronização na sua máquina (Windows e Mac, nativamente) ou através do cliente web. Para qualquer uma das duas, será necessário ter uma conta no Google.

Acessando via cliente web

Para acessar através do seu browser, basta ir em google.com/drive.

Os navegadores suportados são:

  • Chrome
  • Firefox
  • Safari
  • Microsoft Edge / Internet Explorer

Se você usa outros, como o Opera, ainda poderá ter acesso aos seus arquivos, mas algumas funções podem não ser executadas corretamente. No Google Calendar, por exemplo, é possível consultar seus compromissos, mas durante nossos teste não foi possível editar ou adicionar nada. Nos aplicativos Docs, Spreadsheets e Slides, podem acontecer erros de visualização e quebras inesperadas nas páginas.

O modo de edição offline (desconectado da internet), que, apesar de limitado é bem útil, só funciona no Google Chrome.

Acessando via aplicativo

Para instalar o Google Drive, você pode logar na sua conta, clicar na engrenagem no canto superior direito, e selecionar a opção “Fazer o download do Drive”.

como usar o google drive

Você também pode ir a google.com/drive/download/ e baixar o executável de lá. Esta página também tem atalhos para os aplicativos móveis de Android e iOS.

Ao clicar no botão de download, você precisa aceitar os termos de uso antes de baixar o instalador.

como usar o google drive: Tela do instalador. Só baixe o arquivo do site oficial!

O instalador não tem nem um megabyte, e vai baixar rapidinho. Quando você o abrir pela primeira vez ela vai baixar os arquivos necessários para rodar. Aqui levou menos de 30 segundos!

Em seguida, será apresentado um breve setup para configurar o programa. O primeiro passo é entrar com suas credenciais do Google. Em seguida, são apresentadas 4 telas com algumas informações sobre o aplicativo.

Então será criada uma pasta “Google Drive”, até com um ícone bonitinho, que é seu atalho para enviar e sincronizar seus arquivos. Veja:

como usar o google drive: Ícone da pasta do Drive no Windows 10

Na sua barra de notificações, ao lado do relógio, também haverá um ícone novo, indicando que a sincronização está ativa:

como usar o google drive: ícone da barra de notificações

Eu sei, tenho muitos arquivos.

O passo que eu recomendo que você faça imediatamente é clicar com botão direito neste ícone, depois clicar nos três pontinhos e ir em “Preferências”.

como usar o google drive: menu do drive

Ali você pode escolher se quer sincronizar todas as suas pastas, ou apenas uma parte delas. Talvez você não queira sincronizar os arquivos do trabalho no computador de casa ou vice-versa, por exemplo.

como usar o google drive: menu de preferências

Também é possível ver seu espaço disponível, escolher sobre a inicialização automática do programa e colocar limites na banda disponível para upload e download.

Agora que o programa está configurado, é só colocar os arquivos que você tem sincronizados dentro da sua pasta e acessá-los de qualquer lugar!

Dicas campeãs de como usar ao máximo o Google Drive

Agora que você já entendeu o básico sobre como o Google Drive funciona, é hora de colocá-lo para trabalhar! Veja algumas maneiras de extrair o melhor da ferramenta:

Garanta sua segurança com autenticação de dois fatores

Se você usa senhas como a sua data de nascimento, nome do seu cachorro ou apelido da namorada, apenas pare.

É sério, cara! Você está hospedando arquivos potencialmente importantes ali. Coisas de trabalho, faculdade, documentos pessoais. Você não quer isso em mãos erradas, não é?

Felizmente, existe uma solução simples e muito eficiente para isto: autenticação em dois fatores.

Isto quer dizer que, além da sua senha, também será necessário um fator adicional para entrar na sua conta pela primeira vez. Este fator pode ser um aplicativo instalado no seu smartphone ou o envio de um SMS para o seu celular.

É muito fácil e você só precisa de um telefone para fazer. Clique aqui e configure a sua.

Importe os arquivos que você já criou

Há uma boa probabilidade que você tenha documentos, entre textos, fotos e planilhas, que vão precisar ser carregados para dentro do Drive, agora que você viu a luz, digo, adotou o sistema.

Mas copiar e colar o conteúdo destes documentos seria um verdadeiro pesadelo, não é? Mas calma, sem problemas!

Importando pelo aplicativo web

Ao clicar em “new” você pode importar arquivos individualmente, ou mesmo uma pasta inteira numa tacada só.

O procedimento não poderia ser mais simples. É só navegar até o local escolhido e selecionar o arquivo ou pasta.

como usar o google drive: como importar um arquivo

Um detalhe importante é que você pode escolher se quer apenas hospedar os arquivos, ou também convertê-los para o formato que pode ser editado online nas ferramentas do Google.

Para fazer isto, basta clicar na engrenagem, do lado superior direito da tela, e em “settings” ou “ferramentas”. Você vai se deparar com estas opções:

como usar o google drive: opções do menu de ferramentas do google drive
  • Storage/Armazenamento: Mostra quanto espaço há disponível e dá opção para comprar mais
  • Convert upload: marque para converter seus arquivos automaticamente

Atenção! Converter arquivos do office com formatação rica, muitas fórmulas, VBA, e alguns recursos avançados pode estragar sua formatação! Faça esta migração com cuidado e sempre guarde um backup!

  • Language/Idioma: Troca a linguagem da interface, não interfere com os arquivos.
  • Offline: Permite que a listagem dos arquivos seja disponível offline, no seu computador.
  • Density/Densidade: Controla quanta informação a tela mostra de uma vez só. Eu prefiro o “confortable”, mas se você tem um monitor menor pode usar “compact” para mostrar mais coisas de uma só vez.
  • Create a Google Photos Folder/Criar uma pasta para o Google Fotos: Integra o serviço de fotos do Google no Drive. Especialmente útil para quem usa celulares android, que tendem a ter o Google Photos integrado como padrão. Também pode ser usado com iOS, bastando instalar o aplicativo.

Importando pelo aplicativo desktop

Como vimos acima, o aplicativo para desktops do Drive cria uma pasta virtual, que é uma espécie de espelho do seu armazenamento online. Assim, se você quiser subir um (ou muitos) arquivos para o drive, basta colocar eles dentro desta pasta. Mais simples impossível!

Quando você tem muitos arquivos, ou separa documentos de trabalho e pessoais, por exemplo, talvez não queira que todos os arquivos do drive tenham um espelho na sua máquina, certo? Sem problemas. É só clicar com o botão direito no ícone do aplicativo e voltar nas preferências. É o mesmo menu que você viu durante a instalação do programa!

Se você remover alguma pasta aqui, ela desaparece do desktop, mas permanece segura dentro do Google Drive!

Crie colaborativamente

Talvez este seja o meu recurso favorito do Google Drive. Através da plataforma você pode compartilhar os arquivos de forma controlada, além de dar acessos de edição ou apenas visualização de maneira muito, muito granular.

Perfeito para equipes, como a que está trabalhando agora para levar todo o conteúdo fantástico deste blog até você!

Permissão e compartilhamento

Se estiver com um documento (seja ele texto, planilha ou apresentação) abertos, você verá este simpático botão azul no canto superior direito:

como usar o google drive: botão de compartilhamento

Pode estar escrito “Compartilhar”, se você usa o Google Drive em português.

Na interface web, você pode usar o ícone na barra superior, ou clicar com o botão direito no arquivo/pasta que quer compartilhar, desta maneira:

como usar o google drive: como compartilhar

Ao clicar em qualquer um dos dois, será apresentada uma caixa para que você configure os acessos. É bem fácil, veja só:

como usar o google drive: como compartilhar

Na barra “People” ou “Pessoas” você escolhe, dentro da sua lista de contatos, quem recebe o acesso. No botão cinza, à direita, você escolhe o nível de permissão, que pode ser:

  • Can edit/Pode editar: as pessoas listadas podem ver e alterar o conteúdo dos documentos
  • Can comment/Pode comentar: pode ver e adicionar comentários, mas estes só podem ser aprovados ou reprovados por quem tem permissão “can edit”.
  • Can view/Pode ver: pode acessar o documento, mas não pode realizar nenhuma alteração

Atenção! Por padrão, a permissão de “can view” também permite que a pessoa faça cópias (que serão editáveis editáveis) do seu documento.

A atribuição de permissão por email — esta que vimos acima — requer que a pessoa esteja logada em uma conta reconhecida pelo Google, para provar sua identidade. Esta maneira, entretanto, não é prática quando precisamos configurar a permissão em função do artigo em si, e não das pessoas que podem acessá-lo. Isto acontece, por exemplo, quando queremos incluir um time inteiro, ou deixar o artigo público para colaboração.

Nestes casos, você deve usar “Get shareable link”, ou as permissões avançadas de edição, nestes botões:

como usar o google drive: como compartilhar arquivos

O botão “Advanced” abre uma tela como esta:

como usar o google drive: link compartilhável

No topo, é exibido o link para os colaboradores, assim como botões para compartilhar o link. Abaixo, está a lista de pessoas com acesso a ele. Clicando em “Change”, configura-se qualquer combinação de atribuição de permissão e acesso:

como usar o google drive

Se o seu arquivo é público, ele pode ser descoberto por crawlers, e aparecer nas páginas de resultado do Google.

Em “anyone with the link” o acesso é permitido a todos, mas é necessário conhecer o link para chegar no arquivo.

Você consegue saber imediatamente que está vendo seu arquivo, olhando para o topo da tela. As pessoas logadas no Google aparecem com um nome e foto. Quem não estiver, é identificado como um “animal anônimo”:

Como compartilhar arquivos do Google Drive com contas de e-mail que não são do Google

O compartilhamento dos arquivos do Drive do Google só são permitidos para quem tem uma conta no Google. 

As contas do Google não precisam usar endereços do Gmail.

Uma Conta do Google é apenas um sistema de login unificado que oferece acesso a produtos do Google, como Google Drive, Documentos, Planilhas e Apresentações Google. Você pode associar qualquer endereço de e-mail a uma Conta do Google.

Se a pessoa não tiver uma conta, será necessário criar uma através deste link https://accounts.google.com/signupwithoutgmail

Exemplo: se a pessoa tem uma conta no uol.com.br ela poderá associar o email @uol.com.br com a Conta do Google sem precisar se inscrever no Gmail.

Dessa forma, você poderá compartilhar arquivos com essa conta @uol.com.br

Comunidade de Ajuda do Google Drive

Sabia que a Google oferece suporte a esses aplicativos gratuitamente? Pois é, e ainda mantém uma comunidade onde pessoas com diversos níveis de aptidão podem te ajudar.

Em caso de dúvidas não hesite em procurar uma solução por lá e abrir uma postagem nos fóruns que suas dúvidas podem ser respondidas imediatamente.

Claro que você pode deixar sua dúvida aqui nos comentário também. 😉

Turbinando sua conta com o Google One

Precisa de mais espaço ou mais funcionalidades? É possível fazer um upgrade com assinaturas que não são tão caras assim.

Planos da assinatura Google One (https://one.google.com/)

Mestre GDrive, que a força esteja com você!

Agora que você já é um verdadeiro mestre do Google Drive. Está pronto para montar seu time, produzir e colaborar na nuvem para realizar qualquer missão!

E não se esqueça de deixar suas dicas e dúvidas nos comentários! Até a próxima!

blog_isa_nuvem

O que é Nuvem e como fazer para acessar?

Se você não sabe o que é nuvem e como fazer para acessar, este post é pra você. Sendo cringe, eu já usava computadores antes da existência dos celulares. A gente fazia download de tudo e nossas máquinas precisavam ter cada vez mais espaço de armazenamento pra guardar filmes, séries, jogos, TUDO! Mesmo que a gente não fosse mais assistir era tão chato encontrar e esperar um download eterno acabar que a gente preferia guardar. Vai que… Porém na última década os hábitos mudaram. Agora jogamos, assistimos e ouvimos tudo por streaming. Basta ter uma boa conexão com a internet e tudo se torna acessível instantaneamente através da nuvem.

Tá, mas o que é nuvem e como fazer para acessar?

Falando tecnicamente a nuvem não é uma entidade física, mas uma vasta rede de servidores remotos ao redor do globo que são conectados e operam como um único ecossistema. Estes servidores são responsáveis por armazenar e gerenciar dados, executar aplicativos ou fornecer conteúdos ou serviços, como transmissão de vídeos, webmail, software de produtividade ou mídias sociais. Em vez de acessar arquivos e dados locais, de um HD externo, pendrive ou de um PC na sua rede local, você pode acessá-los online, usando qualquer dispositivo com acesso à Internet. As informações estarão disponíveis em qualquer lugar, a qualquer hora.

Atualmente o que não faltam são serviços online. Quer assistir filmes ou séries? Temos YouTube, Netflix, Amazon Prime, Disney+, Apple TV+, Globo Play… isso pra falar dos mais conhecidos. Agora se você deseja ouvir música pode recorrer ao Spotify, YouTube Music, Deezer, Resso, etc.

Como funciona o armazenamento em nuvem?

Mas nem só de streaming vive a nuvem. Pra aumentar a capacidade de armazenamento de computadores e celulares, fazer backup automático ou pra compartilhar arquivos temos disponíveis diversos serviços gratuitos e pagos. Entre os mais populares estão o Google Drive, Google Fotos, iCloud, One Drive e Dropbox. Podemos acessar todos estes serviços pela internet. Através de aplicativos no celular, programas de sincronização automática no computador ou site usando seu navegador preferido.

Uma curiosidade é que, muitas vezes, seus arquivos podem estar armazenados em outro país. Os servidores Google, por exemplo, estão hoje em 12 países: EUA, Canadá, Brasil, Inglaterra, Bélgica, Alemanha, Holanda, Índia, Singapura, Taiwan, Japão e Austrália. Imagina uma forma melhor de fazer backup? Ainda que haja uma catástrofe natural em algum desses países seus dados provavelmente estarão seguros. Porque a empresa faz cópias de segurança em servidores de diversos data centers. Um data center é um local físico que possui um alto nível de segurança digital e física.

Para acessar serviços na nuvem geralmente é necessário ter uma conta. Com ela você poderá compartilhar, editar e até mesmo excluir os arquivos armazenados na nuvem.

Como tudo na vida, o armazenamento na nuvem possui vantagens e desvantagens

Um ponto positivo é que não precisamos comprar hardwares para armazenar seus arquivos. Isso ajuda a baratear o custo dos dispositivos, reduz o peso deles e nos oferece infinitas possibilidades de acesso. Seja utilizando um ou vários serviços que possuem espaço considerável para armazenamento de forma gratuita. Seja expandindo o espaço de armazenamento através de assinaturas que são bastante acessíveis.

Além disso, quando utilizamos a nuvem acessamos arquivos sem a necessidade de encontros presenciais. Equipes podem trabalhar remotamente e compartilhar arquivos na nuvem.

A principal desvantagem é a necessidade de estar constantemente conectado à internet. Isso pode se tornar um empecilho, pois nem todas as áreas possuem conexões estáveis. Em diversos lugares os usuários podem enfrentar problemas para acessar seus arquivos.

Por que o nome nuvem?

Nós utilizamos o termo “nuvem” desde a criação da internet nos anos 70. Geralmente profissionais de tecnologia representam a internet com o desenho de uma nuvem.

o que é nuvem e como fazer para acessar
Desde os anos 1970 a palavra “nuvem” era utilizada para se referir à internet (Imagem: Reprodução/How-To Geek)

Dessa forma indicamos que não importa o caminho pelo qual a informação siga. Em tecnologias cliente x servidor o que importa são as pontas. Quem está acessando? Onde está a informação buscada? Quem será responsável por processar a requisição?

Dá pra gente imaginar o futuro desses serviços?

Dá sim. Existem serviços que não estão disponíveis no Brasil ou ainda não se popularizaram. No caso de serviços de streaming de jogos, como o PlayStation Now, a esperança é de que se tornem cada vez mais acessíveis ao público com o lançamento do Google Stadia e do Projeto xCloud da Microsoft.

Muitos avanços foram conquistados e não há limites para a tecnologia. E a esperança é de que as novas tecnologias se tornem cada vez mais acessíveis para o grande público.

Em breve irei publicar tutoriais para acesso a diversos serviços mencionados aqui, então siga a ITC nas redes sociais e fique sabendo de todas as novidades. Espero ter respondido a questão levantada pela @lanachueri no post “Papo reto…”. Se você também tem dúvida sobre esse assunto, seja ela sobre como usar ou mais técnica, deixa sua pergunta aqui nos comentários que a gente descomplica a tecnologia pra você.

blog_2_apresenta-isa-itc

IT Consulting Tin-Tin Por Tin-Tin

“Boa tarde… Vc poderia me informar tin-tin por tin-tin, o que é a sua empresa? Grato!!!”. Essa foi a mensagem que recebemos via Direct no Instagram do @henrique_hnc logo depois de postarmos que nosso novo site estava no ar. É tenta coisa acontecendo por aqui, Henrique, que realmente acho muito necessário me apresentar, tanto como pessoa jurídica quanto física.

Quem é Isa Colucci na fila do pão?

Me apresentar como pessoa física é crucial porque a ITC (apelido carinhoso dado à IT Consulting) nasce de um sonho pessoal de liberdade, como MEI (Microempreendedora Individual), depois de trabalhar por anos em fábricas de software. Me chamo Isa Colucci e até esse nome foi cunhado ao longo da minha existência empreendedora. Lá no comecinho dessa história toda eu era Isabela, uma analista de sistemas metódica, séria demais e até um pouco sisuda.

Já nessa vivência, dentro de um ambiente muitas vezes insalubre, eu lidava mais com pessoas do que com máquinas. Inicialmente oferecendo suporte aos produtos desenvolvidos pela fábrica, depois como analista fazendo levantamento de requisitos, testes de qualidade, muitas vezes alocada (e outras tantas aloucada) em cliente para servir de ponte (e tradutora) entre quem acha que sabe o que quer e quem acha que é dono da verdade. Uma vida tranquila onde me sentia como a corda de um cabo de guerra, sempre desviando de milhares de copos de café e caixinhas de tarja preta, com hora pra chegar e sem hora pra sair. Até me encher disso tudo, jogar um “bom emprego” pro alto, me olhar no espelho e perguntar: E agora, José?

Nasce a IT Consulting

Eu não sabia muitas coisas sobre a vida e tinha também muito a aprender sobre a profissão, mas uma coisa eu sabia: eu era muito boa no que fazia! E amava tecnologia como amo música, então, a resposta que dei àquele reflexo perdido de mim mesma foi: nós duas, vamos seguir o conselho de Geraldo Vandré e Chico Buarque, “caminhando e cantando e seguindo a canção”. Mas será a nossa canção! Eu, com minhas convicções, vou abrindo caminho pra nossa “banda passar” e você com suas dúvidas, mas cheia de sonhos, vai garantir que ela siga “tocando coisas de amor”!

Se ainda não sabia o que a ITC seria, a certeza que restava consistia em conhecer o que ela não seria! Não seria mais uma fábrica de software. Não seria um lugar onde se falasse em tecniquês. Não seria uma ode ao nerdismo egocêntrico, e porque não dizer falocêntrico, onde alguém se sentisse mais por ter um determinado conhecimento. Não bateria a porta na cara da diversidade, formatando pessoas como robôs, olhando atravessado quem se veste dessa maneira ou fala daquela outra. E nunca se tornaria um ambiente insalubre! Dito isso, agora eu precisava determinar o que seria oferecido como serviço. Hora da Isabela sisuda e a Isa sonhadora sentarem juntas e validarem suas ideias. Ah, chama a Isabela professora também, porque na ITC aquele curso de formação de professoras (vulgo curso Normal) vai ser muito útil!

Assim nasceu a IT Consulting, há uns 10 anos atrás (ainda que a formalização só tenha chegado em 2017)! E só depois de muito tempo e conhecimento acumulado eu descobri que talvez esse não fosse um bom nome… mas isso é papo pra outra postagem.

Serviços que oferecemos

Como minha maior experiência era em fábricas de software, pensei: claro que o primeiro serviço que vou oferecer é o desenvolvimento de sistemas personalizados! Saco bastante de análise, me garanto em programação e o que eu não souber logo de cara, estudo e aprendo. Sempre fui autodidata mesmo… Vai dar tudo certo! Certo? ERRADO! Beleza, você desenvolve uma solução supimpa pro seu cliente, mas QUE CLIENTE?! Quem vai vender essa bagaça aí que a sabichona aqui vai programar? Pois é… Meu primeiro serviço era rentável, mas bastante difícil de vender, já o desenvolvimento de sites era mais tranquilo e rapidamente se tornou o carro-chefe da empresa.

Em tempos de vacas magras percebi a receita cair muito! Olhando o mercado pude perceber que as pessoas tinham cada vez menos possibilidades de investir e mais necessidade de remediar. Hora de tirar a poeira daquele cursinho de manutenção de computadores que fiz antes mesmo da faculdade, lustrar os conhecimentos reciclando com um curso de manutenção de placas-mãe pra agregar um pouco de eletrônica e oferecer oficialmente como serviço aquilo que já fazia para amigos e parentes. E deu super certo! Apesar de ter uma margem de lucro menor, foi consertando computadores que a ITC atravessou sua primeira crise e de quebra conquistou seu primeiro contrato (que é nosso cliente até hoje ❤), garantindo uma renda fixa que aumentaria gradativamente a seguir.

Vencida a crise, hora de me aventurar um pouco mais. Se o desenvolvimento de sistemas não emplacou num primeiro momento, como eu posso aproveitar tantos anos de fábrica e os conhecimentos valiosos acumulados nesse período aqui na ITC? Consultoria! Aí sim! Se você soubesse a quantidade de empresas que não tem uma equipe de TI, contratam o serviço de desenvolvimento de uma fábrica (muitas vezes renomada e cobrando caríssimo) e se sente perdida (e porque não dizer enrolada) por não saber acompanhar o projeto, não saber cobrar o produto contratado, vendo seu tempo e dinheiro escorrendo pelo ralo sem ter o sistema pronto para implementação… E é disso que a ITC trata! Descomplicar, fazer a ponte entre as pessoas e as máquinas (ainda que estas sejam pessoas que se comportam como máquinas)! E deu super certo! Achei o caminho que vinha buscando e voltei a me envolver com projetos, mas dessa vez sem a dor, só a delícia de ser o que é.

Foi administrando esse tripé: desenvolvimento, manutenção e consultoria, que eu e a ITC fomos atingindo a maturidade e a estabilidade almejada. Mas empreendedor parece que tem bicho carpinteiro (ou seria pelo corpo inteiro?) e tá sempre inventando moda. E essa que vos fala não foge à regra. Hora de agitar as coisas por aqui e crescer. Primeiro expandindo a rede de parceiros, depois convocando e contratando aliados. E é esse o momento que estamos vivendo agora, com uma nova identidade visual, um novo posicionamento e um novo serviço: Marketing Digital.

Quem é o time ITC?

Sim, nas eras das redes sociais tem muito empreendedor que não está dando conta de tocar seu negócio e ainda se posicionar digitalmente. Isso foi um desafio pra mim e alguns clientes que consumiam outros serviços relatavam a mesma dificuldade. Se sozinha eu não teria a menor possibilidade de dar conta do volume de trabalho e conhecimentos diversos necessários para oferecer esse serviço com a qualidade chancelada pela ITC, o caminho seria me cercar de pessoas confiáveis e competentes para a tarefa.

Além de fazer cursos, estudando tudo a respeito até me sentir apta a garantir mais esse serviço, me aliei a um amigo de longa data, Thiago Bezerra, social media e CEO da Media Outdoor Online, conferindo um respaldo técnico necessário, uma visão estratégica para apontar a direção a ser tomada pelas campanhas de cada cliente e a metrificação dessas campanhas, para gerar relatórios mensurando o retorno de todos os esforços empregados.

Mas nem só de estratégias vive uma campanha de marketing digital. É preciso tempo, ideias e mão na massa pra gerar conteúdos e manter a presença digital constante, tão necessária pra ter resultados digitais e reais. E para essa tarefa eu consegui recrutar um timaço: Aline Pintor e Vivian Colucci garantem que as redes se mantenham de fato sociais e Lana Chueri traz o conhecimento jornalístico e da língua portuguesa, imprescindíveis às postagens de blog (aproveita e me ajuda com essa revisão aqui @lanachueri?).

Onde queremos chegar?

O céu é o limite! Mas precisamos construir uma ascensão sólida pra esse foguete não explodir no ar. Por agora queremos oferecer uma suíte de serviços completa para empreendedores, pequenas e médias empresas:

  1. Um endereço digital: ter um site é fundamental para existir nesse mundo digital.
  2. Ser encontrado pelo cliente: ter um blog, além de um site otimizado (SEO) favorece a indexação por buscadores como o Google. Dessa forma quando um cliente precisar e buscar, sua chance de aparecer na primeira página aumenta (e com ela as oportunidades para fechar novos negócios).
  3. Fortalecer a marca: apesar do nome pomposo, branding, tornar uma marca forte é fundamental para o cliente escolher você ao invés de outra empresa na hora da compra. Por isso é tão importante estar presente e comunicar bem aquilo que se propõe a fazer e ser. Esse laço de identificação entre a marca (que pode representar uma pessoa ou empresa) e seu público se constrói aos poucos, mas é muito valioso.
  4. Fechar a venda: e nos tempos atuais essa venda pode ser totalmente digital, através de uma loja virtual, por exemplo.
  5. Criar e acompanhar processos: implementar uma cultura corporativa não precisa ser algo quadrado ou inflexível, mas é imprescindível quando o objetivo é profissionalizar, expandir e gerenciar bem um negócio. Em alguns casos adotar um sistema personalizado próprio, ou adquirir alguma solução já existente no mercado, pode ajudar e muito a execução das tarefas diárias. Mas uma consultoria vai muito além de sistemas. Entender o que a empresa se propõe, conhecer sua trajetória até ali, vislumbrar aonde se quer chegar e construir o caminho até lá, identificando atalhos, ferramentas e necessidades. É disso que se trata um bom consultor.
  6. Manter tudo em pleno funcionamento: suas máquinas não podem te deixar na mão durante essa trajetória. Seja realizando manutenção preventiva, remediando o mau funcionamento do computador, ou mesmo recuperando aquelas informações perdidas que não foram copiadas em local seguro.

Em cada um desses passos, você pode contar com a ITC.

1585607193728

#Girls4Tech: Por Mais Mulheres na TI

Estamos na reta final de março, mês dedicado às lutas feministas e eu não poderia deixar de falar sobre o assunto aqui. Como mulher, feminista e analista de sistemas (que também programa) sinto muita falta de mulheres colegas de trabalho principalmente em cargos como programadora, arquiteta e gerente de projetos.

Meu questionamento não se dá por falta de representatividade. Tivemos e temos mulheres incríveis fazendo tecnologia nas suas diversas áreas. Inclusive a programação moderna foi criada por uma mulher, obrigada Ada Lovelace! O que me intriga é a quantidade, em termos percentuais, ser tão discrepante entre homens e mulheres neste mercado de trabalho (e aqui nem estou entrando no mérito das diferenças salariais).

Em busca de respostas principalmente no último ano passei a observar melhor as mulheres que conheço na profissão, a estar mais atenta à meninas na fase de escolha das suas profissões e também às bem pequenas e como são estimuladas a brincar e pensar. Dentre as adultas percebi que muitas chegaram à profissão, mas que esta não era a sua primeira opção. Aproveitaram uma oportunidade de trabalho e aqui estão. Não que não gostem do que fazem, muito pelo contrário, encontraram na tecnologia sua paixão, apenas não cogitavam essa hipótese antes.

Já as meninas de hoje, possíveis profissionais de amanhã, tiveram mais contato com elementos tecnológicos e mesmo assim pensam que não é pra elas. Quem disse que não? Talvez o problema foi ninguém ter dito que sim. E tendo a crer que realmente seja essa a questão. Quantas meninas são incentivadas a gostar de tecnologia desde o início da sua infância? Gostar de videogames, computadores… Não são brinquedos oferecidos aos meninos, enquanto elas já carregam bonecas embaixo do braço antes mesmo de aprenderem a falar? Só depois de maiorzinhas têm um tablet ou celular não. Para quê? Assistir vídeos e sonhar ser uma princesa da Disney – e é claro que não encontramos muitas princesas hi-tech, não é mesmo?

Nas minhas incessantes buscas por equalizar melhor essas diferenças conheci algumas iniciativas simplesmente fantásticas e gostaria muito de compartilhar algumas com vocês hoje.

#Girls4Tech

Até o ano passado (março de 2019) a EBANX em parceria com a Junior Achievement Paraná desenvolveram um projeto incrível oferecendo curso básico de programação gratuitamente por mulheres e para mulheres que quisessem ingressar no mercado. Eu cheguei a me cadastrar pela plataforma Udemy, mas infelizmente o curso já não aceita mais inscrições no momento. Quem se inscreveu – como eu – ainda tem acesso aos conteúdos disponibilizados, o que me suscitou a vontade de multiplicar os conhecimentos expostos ali para que mais meninas acessem.

Hoje buscando pela hashtag vi que também a MasterCard possui um programa de incentivo (ao que parece ativo) para meninas na tecnologia, mas não estava disponível no site MasterCard Brasil. Uma pena, né?!

Outras Iniciativas Que Valem Sua Visita

Mulheres em Tecnologia da Microsoft

Uma das gigantes da tecnologia também quer ver mais mulheres na TI. A Microsoft criou o programa Mulheres em Tecnologia, voltado para quatro perfis distintos: garotas em fase escolar, garotas na faculdade, mulheres profissionais de TI e mulheres empreendedoras.

Programaria

Programaria é um grupo de mulheres de diferentes áreas que se juntou pra aprender a produzir tecnologia e inspirar outras mulheres a fazê-lo.

Empoderar mulheres através da tecnologia diminuindo o gap de gênero no mercado de trabalho. É isso que fazemos.

E elas criaram um hotsite muito detalhado sobre as razões pelas quais encontramos tão poucas mulheres na tecnologia.

Por tudo isso fiquei com muita vontade de trazer essa ideia pra dentro da ITC. O que acham, mulheres da minha rede? Topam o desafio de reacendermos a hashtag #Girls4Tech aqui no Brasil?

1585005809937

Home Office: Ferramentas para Videoconferência

No artigo anterior apresentei o movimento #DistantesMasJuntos – um movimento coletivo em apoio as pessoas que estão no trabalho remoto e de empatia com quem não pode – que em sua página oficial apresenta diversas ferramentas para quem precisa trabalhar em Home Office separadas por categorias.

Hoje vou falar especificamente das ferramentas sugeridas para a realização de videoconferências. Quais são? Qual a diferença entre elas? É preciso ter todas?

Não precisa ter todas. Veja a seguir qual mais se adéqua à sua necessidade.

ZOOM

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Atualmente a mais usada em ambientes corporativos, a zoom ganhou popularidade por não apresentar os problemas de travamento como o, até então soberano, Skype; além de possibilitar o uso via navegador (o que não é 100% verdade, pois ao iniciar ou entrar em uma reunião convocada por outra pessoa o site verifica se você possui o programa ou app instalado e, caso não possua, te orienta a baixar e instalar).

A ferramenta cumpre o que promete. Com uma interface bem simples e com aplicativo multi-plataformas, você conseguirá se comunicar com bastante facilidade. É possível utilizar em computadores com Windows, MacOS ou Linux. Também está disponível para celulares e tabletes nas plataformas Android e iOS (Apple).

Funcionalidades:

Apesar da indicação aqui ser para o uso em videoconferências, a zoom oferece diversos outros produtos para permitir a comunicação via internet. São eles:

  1. Reuniões e Conversa: Vídeo HD, áudio, colaboração e conversa;
  2. Salas e Espaços de trabalho: Melhore suas salas de conferência com vídeo;
  3. Sistema de telefonia: Sistema de telefonia corporativo em nuvem;
  4. Webinars em vídeo: Webinars com todos os recursos, fáceis de usar e envolventes;
  5. Mercado de aplicativos: Integrações e robôs para usar com o Zoom.

Planos:

O foco deste artigo é o uso em Home Office por isso vou considerar a versão sem custo da ferramenta, apesar dela apresentar limitações. Veja o que será oferecido gratuitamente:

  • Reuniões individuais (apenas 2 usuários conectados) ilimitadas;
  • Limite de 40 minutos para reuniões em grupo (a partir de 3 usuários conectados);
  • Suporte online.

Além do plano básico gratuito é possível adquirir pacotes com mais funcionalidades de acordo com o tamanho da empresa. São eles: Profissional (indicado para equipes pequenas), Corporativo (pequenas e médias empresas) e Empresarial (para empresas grandes).

Você consegue obter maiores informações sobre cada um desses planos no site https://zoom.us/pricing.

HANGOUTS

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Realmente independente de instalações (agora sim!), a Google acertou mais uma vez. Com o Google Hangouts é possível realizar chamadas de voz, vídeo ou enviar mensagens totalmente gratuitas para seus contatos utilizando diversas plataformas incluindo navegadores (principalmente o Chrome em computadores Windows, MacOS e Linux) ou apps para Android, iOS ou Chromebook.

O grande diferencial do Hangouts para as demais ferramentas é a facilidade de integração com os outros produtos Google, o que fica ainda mais interessante se o seu dispositivo móvel for Android.

A única restrição de uso da ferramenta é ter uma conta Google (GMail), mas isso quase todo mundo já tem, não é mesmo?!

Funcionalidades:

Na interface via navegador, sem nenhuma instalação, você já se depara com um menu de acesso às principais funcionalidades da aplicação: contatosconversas e chamadas telefônicas, onde são apresentados os dados de contatos salvos no dispositivo Android (se estiverem vinculados à conta Google utilizada para login). Se não tiver um dispositivo Android você poderá armazenar seus contatos diretamente na agenda de contatos Google. O Hangouts integra também o serviço de e-mail (GMail) e a agenda de compromissos (Google Calendar), aumentando a produtividade dos usuários que utilizam sua suíte de produtos.

A interface é muito simples, mas bem bonita com fotos personalizáveis ao fundo. Além do menu, apresenta também três botões de acesso: videochamadachamada telefônica e mensagens.

Na função mensagens é possível conversar com uma única pessoa ou fazer um bate-papo em grupo; utilizar emojis, fotos, GIFs e mapas; além de sincronizar seus chats de um dispositivo para outro e caso queira continuar conversando em qualquer lugar.

É possível transformar qualquer conversa em uma videochamada gratuita com apenas um toque. Converse com uma pessoa ou convide contatos para um bate-papo em grupo com até 10 pessoas.

Chamadas telefônicas são totalmente gratuitas para outros usuários do Hangouts, mas também é possível ligar para quase todos os números de telefone nos Estados Unidos e Canadá gratuitamente, ou com tarifas muito reduzidas nas chamadas internacionais (outros países, incluindo o Brasil) adicionando créditos. Para receber as chamadas de voz do Hangouts é preciso ter um dispositivo Android com o app Telefone Hangouts instalado.

SKYPE

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O mensageiro da Microsoft, Skype, ainda é muito utilizado para chamadas por voz e vídeo, principalmente por usuários da plataforma Windows. Também é possível acessar o serviço por aplicativos no MacOS, iOS, Android e via navegador web (onde não é necessário instalar nada).

Aqui no Skype a videochamada em grupo suporta até 50 usuários simultâneos (se você conseguir manter a organização de tanta gente ao mesmo tempo) e foram incluídas outras funções para não perder terreno pros concorrentes. Atualmente é possível gravar as chamadas por voz ou vídeo, habilitar legendas automáticas, compartilhar a tela de seu dispositivo, desfocar o fundo, tornar conversas particulares com uso de criptografia, entre outros recursos que valem a pena ser experimentados.

O serviço em si é totalmente gratuito, mas para realizar chamadas telefônicas (para um número de telefone celular ou fixo) é necessário inserir créditos que serão consumidos por minuto.

DISCORD

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Muito utilizado por gamers, o Discord também pode ser uma boa opção para se comunicar com uma equipe gratuitamente. Não é tão simples quanto os mensageiros anteriores, por ser necessária a configuração de um grupo de contas (servidor) para que se comuniquem através de mensagens de texto ou voz nativamente, mas também é possível configurar chamadas por vídeo.

Geralmente é indicado nesse contexto de Home Office apenas quando há uma equipe (geralmente de TI) oferecendo suporte aos usuários e/ou quando é necessária uma camada extra de segurança para as informações de maior sigilo.

1584819431599

#DistantesMasJuntos: Um movimento coletivo de apoio e empatia

O Novo Coronavírus (Covid-19) já infectou milhares de pessoas ao redor do mundo e vem chegando com força no Brasil. Tendo como principal forma de contágio o contato com secreções de pessoas contaminadas, autoridades do mundo inteiro estão indicando que se evite contato físico.

Acreditamos que como sociedade temos a capacidade e ferramentas para minimizar os impactos e transmissão do Coronavírus, mas para isso precisamos de uma mobilização coletiva formada por governos, empresas e indivíduos, como eu e você.

Para apoiar o isolamento físico e evitar o contágio de mais pessoas, o movimento #DistantesMasJuntos se propõe a ajudar profissionais e empresas que desejam realizar trabalho remoto com conteúdos, dicas e ferramentas para viabilizar esse processo e torná-lo mais acolhedor e produtivo. Afinal, podemos estar distantes fisicamente uns dos outros, mas conectados e unidos pelo bem comum.

IT Consulting acredita que esse movimento coletivo de apoio em empatia está totalmente de acordo com nossa visão de um mundo mais unido e conectado, por isso decidiu aderir à campanha fortalecendo a hashtag #DistantesMasJuntos e compartilhando um pouco do nosso conhecimento sobre as ferramentas sugeridas através do site https://distantesmasjuntos.com.br/ para facilitar o trabalho em home office e aumentar ainda mais a produtividade de profissionais e empresas que ainda não estão familiarizados com essa modalidade de trabalho.

Entendemos que esse é um privilégio de posições e negócios que não exigem a presença física para realizar suas atividades, ainda assim, essa é uma mobilização que apoia a todos diminuindo a circulação de pessoas não só nas empresas, mas em locais e transportes públicos. Por isso convidamos você a participar do movimento #DistantesMasJuntos.

Não sabe como começar a trabalhar remoto sozinho ou com uma equipe?

Não se preocupe, preparamos dicas e sugestões para lhe ajudar.

Nos próximos dias apresentaremos ferramentas que poderão ser muito úteis na sua nova rotina divididas nas seguintes categorias:

  1. Ferramentas para videoconferência;
  2. Ferramentas de edição de texto colaborativo;
  3. Ferramentas de acesso remoto;
  4. Ferramentas de gestão de projetos;
  5. Ferramentas de gestão de tarefas;
  6. Ferramentas de comunicação;
  7. Ferramentas de produtividade;
  8. Ferramentas de desenvolvimento.

Como você pode ajudar?

O mais importante é ser empático.

Você já deve ter visto muitas formas de se prevenir contra o Coronavírus: lavar as mãos, passar álcool gel, cobrir o rosto com o braço ao espirrar e tossir, evitar beijos e apertos de mãos e por aí vai.

E, é claro, se puder fique em casa e desenvolva o seu trabalho em home office. Mas não esqueça que muitas pessoas possuem ocupações que não permitem trabalhar de casa, é o caso de profissionais das áreas da saúde e da segurança.

Mas, além deles, muitas outras pessoas permanecerão nas atividades. Se você utilizar um aplicativo de entregas, alguém estará produzindo a sua comida por exemplo, e alguém vai entregar na sua porta. Tenha empatia por todos os profissionais que continuarão desenvolvendo suas funções.

Tenha sempre em mente que, por mais que não faça parte do grupo de risco, você é responsável por ajudar a não espalhar o Coronavírus.


E, por último mas não menos importante, divulgue a campanha com a hashtag #DistantesMasJuntos e ajude outras pessoas a serem mais produtivas trabalhando de casa. 

1584551786888

Ministério da Saúde lança app sobre COVID-19

Ministério da Saúde lançou um aplicativo, o Coronavírus SUS, para informar a população sobre a pandemia COVID-19. Nesse período de desaceleração, prevenção e quarentena a tecnologia tem sido grande aliada da população.

O app visa conscientizar a população sobre o coronavírus (Covid-19), trazendo informativos de diversos tópicos como os sintomas, como se prevenir, o que fazer em caso de suspeita e infecção, mapa indicando unidades de saúde próximas, etc.

Com versões para dispositivos Android e iOS, o aplicativo é gratuito e muito intuitivo para que toda a população com acesso a um smartphone consiga se informar através de fonte segura – o que na era das fake news pode fazer a diferença na prevenção e tratamento da doença provocada pelo Coronavírus, com alto grau de disseminação.

Entre suas funções, há um localizador de unidades de saúde por proximidade pelo GPS, uma página com dicas e informações gerais da doença e uma aba com as principais notícias do Ministério da Saúde. Para quem está se sentindo mal, há uma avaliação com todos os sintomas causados pelo SARS-CoV-2. Confira abaixo um passo-a-passo das principais funções do aplicativo.

Como usar o app Coronavírus – SUS

Faça o download para Android ou iOS em suas respectivas lojas virtuais;

App Coronavírus - SUS na Play Store
App Coronavírus – SUS na Play Store

Permita que o aplicativo utilize sua localização:

Android: permissão de acesso
Android: permissão de acesso

O app mostrará o mapa com as unidades de saúde mais próximas. Clique nos ícones para abrir as informações de endereço:

Mapa Coronavírus - SUS
Mapa Coronavírus – SUS

No menu inferior, existem outras duas opções: “Dicas” e “Notícias”. Selecionando “Dicas”, o aplicativo mostrará informações sobre os principais tópicos relacionados ao Coronavírus, tais como medidas de prevenção, sintomas, diagnósticos e cuidados para quem for viajar. Clique em cada um para conferir as informações detalhadas:

Dicas Coronavírus - SUS
Dicas Coronavírus – SUS

Já no menu “Notícias”, quando selecionado, traz um feed com as atualizações do Ministério da Saúde.

Notícias Coronavírus - SUS
Notícias Coronavírus – SUS

Conferindo sintomas com o app Coronavírus – SUS

Na tela principal (Mapa), o usuário pode dizer se está se sentindo Bem ou Mal. Caso toque em Bem, o app apresenta dicas para evitar o contágio pelo vírus COVID-19 (que são válidas para a prevenção de diversas outras doenças causadas por vírus):

Sintomas Coronavírus - SUS
Sintomas Coronavírus – SUS

Caso toque na opção Mal os sintomas do vírus COVID-19 são elencados. Selecione os que estiver sentindo no momento. Responda a perguntas sobre o contato com casos suspeitos ou confirmados de contaminação pelo vírus. No fim, selecione “Confirmar”:

Sintomas Coronavírus - SUS
Sintomas Coronavírus – SUS

A última etapa consiste em responder se esteve fora do país nos últimos 14 dias. Caso a resposta seja positiva, informe a localização:

Histórico de deslocamento Coronavírus - SUS
Histórico de deslocamento Coronavírus – SUS

Com base nas respostas, o aplicativo informará qual a possibilidade de estar ou não infectado pelo vírus e como proceder em cada uma das situações.

Gostou da dica de app? Compartilhe o artigo em suas redes e ajude a manter o Corona Vírus bem longe!